SCRUMCada vez mais as empresas procuram desenvolver projetos que levem a uma maior vantagem competitiva ao seu negócio integrando inovação tecnológica, orçamentos reduzidos e ciclos de entrega agressivos.

Otávio Albuquerque Ritter dos Santos - Gerente de Projetos de TI
 

A capacidade de rapidamente readequar seus projetos e produtos às constantes mudanças do mercado também constitui fator critico de sucesso para que uma empresa prospere diante da competição feroz e globalizada. Em cenários como esses uma abordagem adaptativa para o gerenciamento de projetos se torna fundamental a fim de maximizar a produtividade e não comprometer a qualidade do produto final.
 
Introdução

 

Hoje em dia, muito se tem discutido sobre a capacidade dos projetos serem entregues no tempo, escopo, custo e qualidade acordados com o Cliente. É notório que cada vez mais os projetos lidam com requisitos abstratos, incompletos e em constante mudança. A procura pela vantagem competitiva e a constante necessidade de inovação impõem às empresas uma nova abordagem para o desenvolvimento de soluções e o gerenciamento de projetos. A rapidez na entrega e a qualidade, medidas principalmente pelo valor agregado ao negócio, fazem toda a diferença para o sucesso de um projeto nos dias atuais.
 

Diante desse desafio a alternativa que se torna cada vez mais adotada no mercado é o uso de processos ágeis de desenvolvimento como: SCRUM , XP , OpenUP , DSDM , entre outros. Suas técnicas e boas práticas já são amplamente divulgadas e discutidas nas comunidades de desenvolvedores, porém é raro encontrar boas referências que auxiliem ao Gerente de Projeto a entender a mudança de paradigma e adotar estas práticas como ferramenta de apoio para um gerenciamento mais eficaz.

A falta de informação adequada para o nível gerencial acaba gerando dificuldades para a adoção de processos ágeis principalmente nas grandes empresas.  Por um lado encontra-se resistência pela percepção de que estes não são disciplinados ou robustos para atender à demanda de projetos.  Em outros casos, o uso de práticas ágeis em conjunto com processos complexos (ou mesmo sem processo algum) é encarada como uma saída mágica para a redução do cronograma de projeto. Essa mistura de conceitos acaba aumentando os riscos, limitando os ganhos de produtividade e levando à conclusão de que processos ágeis não são apropriados para grandes projetos, times distribuídos e não se alinham aos modelos de maturidade nos quais as empresas tanto investem para se adequarem.
 

A chave para se compreender e disseminar junto aos stakeholders essa nova abordagem ágil está na atuação eficaz do Gerente de Projetos, que compreende a necessidade de uma nova dinâmica de gerenciamento mais focada na capacidade de adaptação do processo e na geração de valor para o Cliente.
Jim Highsmith, um dos fundadores da Agile Alliance, sumariza nove princípios para um gerente de projetos que atua no contexto ágil:
 

■ Entregar algo que seja útil para o Cliente; verificar o que eles valorizam
■ Cultivar patrocinadores compromissados com o projeto
■ Empregar um estilo de liderança-colaborativa
■ Criar times competentes e colaborativos
■ Facilitar as tomadas de decisão pelo próprio time

{pdf}https://www.clubegp.com.br/images/arquivos/artigos/Gerenciando mudancas.pdf|height:800|width:100%|app:google{/pdf}

ACESSO

Sugerimos utilizar um e-mail particular e incluir clubegp.com.br como domínio confiável.

Para obter acesso as áreas restritas são necessárias informar seu nome do usuário e senha.

CONHECENDO COM


Fale Conosco

ClubeGP Relacionamento

Pesquisa